Empreendedorismo

Gestão de empresas: é possível fazer sem conhecimento?

18/06/2019

A resposta é sim. Porém, como tudo na vida, para se atingir resultados sustentáveis em longo prazo, a qualificação e o preparo técnico são fatores relevantes na gestão de empresas.

Estamos vivendo a era das ideias: fulano tem uma ideia para um novo aplicativo, beltrano tem uma ideia para um novo conceito gastronômico, sicrano tem uma ideia para fabricar um produto inovador.

Ter uma ideia é algo que está ao alcance de qualquer um. O desafio é estruturar esta ideia e, em seguida, colocá-la em prática.

E é exatamente sobre isso que falaremos neste post.

Hábitos de empreendedores altamente eficazes

Leia também: Como administrar uma micro empresa? Automatize tarefas repetitivas!

Empreender é colocar uma ideia em prática

Para tirar uma ideia do papel é preciso ter 3 características essenciais:

  1. Empenho;
  2. Determinação;
  3. Muita persistência.

É neste ponto que as características empreendedoras fazem a diferença e muitas pessoas não conseguem avançar, eternizando a ideia num simples pedaço de papel.

Perceba que até agora não falamos de gestão. Dissemos apenas que o empreendedor é alguém que supera obstáculos, que insiste, que possui crenças, que pensa e executa.

Você pode gostar: Você sabe o que é gestão empresarial? Descubra tudo e aplique em seu negócio

Ainda existe espaço para o feeling

Em pequenos e médios negócios, o feeling pode funcionar bem, contudo, à medida que o mercado se torna mais exigente, as intuições e percepções não conseguem resolver todos os problemas.

O cliente exige aumento de qualidade, a concorrência sufoca os preços, os fornecedores impedem celeridade na entrega e a empresa precisa buscar solução para estes dilemas.

É neste ponto que as técnicas de gestão se fazem necessárias e os “achismos” passam a não funcionar quando o negócio ganha porte.

Aplicando as técnicas de gestão

Para definir o preço ideal de determinado produto, não basta aplicar um multiplicador, preencher uma etiqueta e afixa-la.

Apesar de muitas pessoas utilizarem este “método”, é preciso muito mais do que isso para se construir um preço de vendas. É preciso analisar uma série de variáveis, contrapô-las em matrizes e ferramentas, interpretá-las e criar estratégias de execução.

Parece complicado, não é? Vamos exemplificar.

Para se precificar um pão francês, por exemplo, seria necessário:

  • Realizar uma pesquisa regional de preços;
  • Uma pesquisa de mensuração de valor percebido;
  • Um estudo detalhado de custos e tributos;
  • Uma avaliação da capacidade de entrega (oferta);
  • Uma análise do potencial de mercado (demanda);
  • Um plano de comunicação e um conjunto de ferramentas de aferição de resultados.

Sem aplicar estas técnicas, o preço do pão francês deste exemplo seria construído? Pode até que ser sim, mas o risco de errar seria muito maior que a chance de acertar.

E não para por aí, esse pão francês, para ser produzido, precisa de insumos, de máquinas de produção, de embalagens e de expositores.

Sendo assim, precisaríamos de um plano para a cadeia de suprimentos, formulários de requisição, controle de estoque de insumos, controle de estoque de produtos acabados, aquisição de equipamentos etc.

Acabou? Ainda não.

Desde a compra, até o momento da venda, precisaremos de mão de obra, ou seja, existirão funcionários comprando insumos, produzindo, embalando, atendendo, vendendo e recebendo.

Para isso, um planejamento de gestão de recursos humanos poderia ser uma boa opção, a fim de determinar o quadro ideal de funcionários, descrever os cargos, atribuir as funções, construir os programas de treinamento, definir salários, desenvolver os canais de recrutamento e criar as técnicas de seleção.

E agora acabou? Ainda não.

Poderíamos escrever páginas e páginas falando sobre controle de qualidade, planejamento logístico, planejamento de marketing, gestão de capital de giro, plano de investimentos, e, cada um destes temas se desdobraria em mais conteúdo, mais ferramentas, mais táticas.

Quando falamos em gestão de empresas, a conclusão é que sempre haverá novos instrumentos para aprimorar seu business e aumentar sua chance de sucesso.

Mais uma dica de leitura complementar: Veja como montar sua lista de tarefas diárias e ter total controle do seu dia

Aplicar a gestão é certeza de sucesso?

A resposta é não. A gestão, na maioria das vezes é racional e fria. E, uma empresa é um organismo “vivo”, que se encontra em constante mudança. Dessa forma, a gestão de uma empresa, por si só, não garante sucesso, apesar de trazer ao empreendedor um maior entendimento do cenário. A união entre técnica e feeling pode gerar um modelo mais forte e sólido.

Voltando ao caso do pão francês, é fato que a intuição e a percepção de um padeiro devem ser consideradas, senão não haverá criatividade, nem originalidade na padaria.

Em contrapartida, esse padeiro precisa respeitar os formulários de requisição de compras e estoques, cadastrar as fichas técnicas dos produtos e alinhar o método de precificação com a diretoria antes de disponibilizar o produto para venda.

Enfim, não existe um momento exato para se aplicar técnicas de gestão no negócio, nem mesmo uma dose certa de gestão que cada empresa necessita.

O importante é sabermos que empreendedores e gestores são personagens distintos, mas que podem ser combinados, por meio de formação, capacitação ou contratando uma consultoria especializada.

*Este post foi escrito por Anibal Maini, sócio fundador da GPME, uma empresa de consultoria para pequenos e médios negócios.

You Might Also Like

close

O que os

EMPREENDEDORES MAIS EFICAZES

fazem e você não?


Separamos os 5 hábitos que os CEOs da Airbnb e Amazon usaram para criar empresas líderes de mercado


Com esse e-book você saberá:

check
check
check

Como a visão revolucionária de Brian Chesky, fundador da Airbnb, gerou uma startup de US$ 30 bi;

Quais são os segredos da rotina de Richard Brenson, dono de um império com mais de 400 empresas

Tenha tudo isso e mais!

  • Seus dados estão seguros! Prometemos não te enviar spam.