O que é PDI: descubra como desenvolver as  equipes em empresas
Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook

Preservar aqueles profissionais que já estão no time é tão importante quanto contratar novos talentos para a empresa. Um caminho para manter uma equipe capacitada, motivada e, consequentemente, produtiva está no PDI, o Programa de Desenvolvimento Individual. 

O programa ou plano é amplamente adotado por gestores e departamentos de RH já que contribui para o clima organizacional da empresa a partir do desenvolvimento de cada membro do time. Evolução essa que pode acontecer por meio de ferramentas como cursos online, webinars, workshops, treinamentos e mentorias.

Neste artigo, descubra mais sobre as vantagens do PDI e de que forma ele pode ser utilizado para otimizar o desempenho dos profissionais. Vamos lá?

O que é PDI?

O Programa de Desenvolvimento Individual é uma sequência de processos que tem o objetivo de ajudar um colaborador a atingir seus objetivos dentro da empresa e até fora dela!

Para isso, os responsáveis pelo programa identificam pontos de melhoria, dificuldades, aspirações e objetivos dos colaboradores. Em seguida, é traçado um plano de ação com metas para endereçar os pontos fracos e desenvolver determinadas competências.

Qual é a importância do PDI?

Não dá para negar: colaboradores motivados são mais produtivos. Mas, de onde vem a motivação? Entre outras coisas, profissionais buscam perspectiva e direcionamento. Afinal, nada pior do que se sentir estagnado na profissão, sem saber como evoluir, não é?

O PDI oferece aos funcionários um caminho concreto que deve ser seguido para que eles alcancem seus objetivos. São inúmeras vantagens, que vão desde o aumento na auto-estima dos colaboradores, passando pela maior atenção aos prazos, até a aproximação entre os gestores e os demais membros da equipe. 

Vantagens do PDI para empresas

O programa é uma via de mão dupla e, ao mesmo tempo que contribui para o desenvolvimento dos colaboradores, traz uma série de benefícios para as empresas também.

A primeira delas é a mais óbvia e, justamente por isso, deve ser compreendida por todas as organizações: se os funcionários melhoram sua produtividade pessoal, a empresa como um todo tem melhor desempenho. têm melhor desempenho, a empresa é mais produtiva. 

Mas é possível destacar ainda outras vantagens. Confira:

  • retenção de talentos;
  • estreitamento na relação dos líderes e suas equipes;
  • desenvolvimento de uma cultura de transparência;
  • clareza em relação ao potencial da equipe. 

Quando implementar?

A adoção do programa traz benefícios para qualquer empresa em todos os estágios de crescimento da companhia. Portanto, o melhor momento para implementar o PDI é aquele em que todas as partes envolvidas – RH, gestão e colaboradores – estão comprometidos com o plano.

Afinal, é necessário investir tempo e esforços na ação para que ela seja bem sucedida. É preciso, portanto, que essa seja uma decisão coletiva e faça parte da rotina da companhia.

Como funciona?

O PDI é pautado na relação entre o gestor da área e seus liderados, de modo que os encontros se dão em reuniões no formato one-on-one, ou seja, momento reservado para que o líder tenha um papo com cada membro do time separadamente. 

Geralmente, o programa acontece em várias etapas. Confira:

1. Avaliação do cargo e performance

Essa é a hora em que o líder deve pensar no cargo ocupado por determinado funcionário e se atualizar em relação às atribuições da cadeira. 

Simultaneamente, será necessário entender como o colaborador se encaixa naquela posição. Vale se perguntar: em quais competências ele precisa evoluir? Quais demandas ele melhor atende? Há tarefas nas quais ele supera expectativas?

2. Análise do momento da empresa e contexto do colaborador

Cabe ao líder entender de quais formas a empresa pode melhor extrair valor do trabalho de uma pessoa. A melhor forma de fazer isso é ouvindo ambas as partes!

Só assim será possível levar em consideração as ambições e desejos do profissional, assim como os objetivos da empresa, para criar metas que contribuam para o desenvolvimento profissional do colaborador e otimizem seu desempenho na companhia. 

3. Definição de metas

Compilar e analisar as informações, definir competências que precisam ser trabalhadas e traçar metas. Essa é uma etapa crucial para o sucesso do PDI.

As metas precisam ser objetivas e, é claro, realistas. Para isso é importante que elas sejam:

  • específicas;
  • mensuráveis;
  • relevantes;
  • e estejam compreendidas em um determinado espaço de tempo. 

4. Estratégias para execução 

Traçar metas, mas não oferecer o caminho que deverá ser trilhado para que elas sejam alcançadas só vai gerar frustração. Por isso, líderes e liderados devem mapear tarefas que ajudarão o colaborador em seu processo de desenvolvimento.

Para que o PDI seja eficaz, é importante que o gestor ofereça ferramentas para o processo evolutivo. São atividades práticas que passarão a fazer parte da rotina do colaborador, ajudando-o a evoluir tanto as hard skills, as competências técnicas, quanto as soft skills, comportamentais. 

Na era digital, os cursos online são uma excelente escolha. O colaborador consegue facilmente encaixá-los em sua rotina de trabalho, assistindo às aulas onde e quando preferir. 

O melhor? Qualquer pessoa é capaz de produzi-los. O próprio gestor pode aproveitar seus conhecimentos para criar seu curso online e compartilhar o material com os liderados. 

Outros produtos digitais como e-books, webinars e mentorias também são ferramentas que podem ser usadas para potencializar o desempenho de um funcionário. 

5. Acompanhamento

Cabe ao gestor acompanhar as etapas do PDI de perto, auxiliando os liderados em quaisquer dificuldades. O colaborador, por outro lado, deve estar comprometido com o programa, participando ativamente do processo.

Para o acompanhamento, o melhor caminho é definir um cronograma, que estipule os prazos para a conclusão das tarefas e as reuniões de alinhamento entre as partes. O papel desses follow-ups é garantir que os desafios não sejam deixados de lado ao longo do caminho. 

6. Planejamento de carreira

Um erro comum em PDIs é focar somente no desenvolvimento de determinadas competências, deixando a carreira de lado.

O Plano de Desenvolvimento Individual deve considerar a carreira do colaborador, promovendo o seu crescimento profissional. Por isso, gestores e liderados devem conversar sobre novos projetos, promoções e até mudanças de posições. 

Investindo em desenvolvimento

Desenvolver habilidades é o coração do PDI! Por isso, os gestores devem ter sempre à mão uma ampla gama de opções de cursos online e outros conteúdos. Só assim será possível endereçar os mais diversos pontos de melhoria mapeados no programa. 

Um bom caminho é mapear leituras e promover capacitações entre os colaboradores. Para isso, é importante investir em plataformas de conteúdos digitais, como por exemplo a Sympla, que oferece uma solução completa com cursos dos mais variados temas no formato on demand.

Ainda no nosso exemplo: explorando as soluções da Sympla, o profissional de RH pode sugerir para os colaboradores cursos que já estão na plataforma, ou até mesmo produzir um curso do zero, de maneira simples, com o Sympla Play. Afinal, conhecimento bom é conhecimento compartilhado, né!  


Este artigo foi escrito pela Sympla, a plataforma online de eventos líder no Brasil. – que oferece soluções completas para produtores de eventos e empreendedores digitais: desde a publicação até a gestão, venda e entrega.

Esse artigo foi útil para você? 😎
Média: 5 / 5

Você também pode gostar

A Ploomes CRM é uma plataforma de otimização de processos de uma empresa, sejam eles relacionados ao funil de vendas ou a outros setores […]